Os aromas vegetais

A experimentar

Apesar de muitos dos atuais descritores dos vinhos mais utilizados referirem “frescura”, “elegância” e “vivacidade”, o odor a vegetal é pouco referido ou, ainda, percebido como menos positivo. Mas não fará sentido associar o termo “frescura” a compostos aromáticos de perfil vegetal?

O confronto “verde”, por oposição a “maduro”, ainda perdura no imaginário de muitos dos apreciadores de vinho. O “vegetal” ainda se mantém associado ao conceito de “verde”, ou herbáceo, como significativo de vindima defeituosa ou sem a suficiente maturação. Ou mesmo, “Verde”, como referente a vinhos provenientes de uvas menos cuidadas, ou respeitante a alguns problemas de vinificação, hoje, felizmente, cada vez menos frequentes.

Mas, prestando atenção, são muitas as condições para que os odores a vegetal estejam presentes. Atentemos que, hoje mesmo, muitos produtores proclamam a origem em altitude, assim como a criteriosa seleção da data de vindima, em busca de uma anunciada frescura como foco de equilíbrio e estilo.

Continue a ler o artigo em Revista de Vinhos.

Últimas