Touriga Nacional: Primus Inter Pares

A experimentar

Uma das mais nobres castas tintas, à Touriga Nacional parece estar reservado o papel protagonista no vasto leque de variedades autóctones portuguesas. Do afunilamento causado pela ‘Touriga Nacionalização’ à redescoberta de um certo perfil clássico, a prova temática dedicada a esta casta entrevê novos caminhos…

A Touriga Nacional é tida como o porta-estandarte dos vinhos portugueses, a casta nacional mais reconhecida mundialmente e uma das mais versáteis e bem adaptadas às diversas regiões e terroirs nacionais (e não só…). A sua dimensão global deve-se, em grande parte, à própria designação – com efeito, é fácil a qualquer estrangeiro pronunciar – e fixar – o nome da casta, mesmo que com ligeiro sotaque, transformando-a numa dissonante ‘Tôriga National’. Mas a presença da casta em vários países do Novo e do Velho Mundo constitui o melhor reconhecimento da sua valia vitícola e enológica.

A esse propósito, a seleção da Touriga Nacional como casta autorizada em Bordéus é suficiente atestado: uma das regiões mais valorizadas mundialmente, num país tradicionalmente “exportador” de castas e reconhecidamente chauvinista quanto à valia dos seus vinhos, acolheu a Touriga Nacional na Parcelle 52, onde o Conseil Interprofissional de Vin de Bordeaux (CIVB) desenvolve pesquisa em climatologia. Esta parcela experimental em Pessac-Léognan pretende monitorizar a forma como 52 castas enfrentam as alterações climáticas em Bordéus. Em 28 de junho de 2019, foram aprovadas sete variedades na Parcelle 52, consideradas “de interesse pela adaptação às mudanças climáticas” para os vinhos AOC Bordeaux/Bordeaux Supérieur – as tintas Arinarnoa, Castets, Marselan e Touriga Nacional e as brancas Alvarinho, Liliorila e Petit Manseng. Com decisão sujeita a validação final pelo Institut National de l’Origine et de la Qualité após um período experimental de 10 anos, estas variedades podem ocupar até 5% das vinhas das mencionadas AOC, com não mais do que 10% incluídos nos lotes finais dos vinhos – regras que visam proteger a tipicidade de Bordéus.

Continue a ler o artigo em Revista de Vinhos.

Últimas