Vinho em tempo de festas: Que não falte alegria

A experimentar

Levar à mesa os melhores vinhos nesta quadra festiva manchada pela pandemia é uma afirmação do desejo de vencer – e de viver. A opinião do crítico gastronómico da VISÃO Se7e, Manuel Gonçalves da Silva

“Haja saúde e dinheiro para o vinho”, diz um provérbio português que vem à memória numa altura especialmente propícia aos gastos com bebidas para acompanhar as refeições desta quadra festiva ou para oferecer a quem mais prezamos. O vinho, quando tem qualidade, é uma excelente oferta, tanto para nós próprios como para os outros. Pensando assim, sugerimos dois vinhos – tinto Douro Pintas e Vallado Porto Vintage – e uma aguardente velha – CR&F Reserva –, para alegrar a mesa e esquecer as adversidades deste tempo ingrato.

O Pintas é aquele amigo a quem instintivamente recorremos quando nos apetece boa companhia. Está sempre disponível com aquele porte distinto, misto de vigor, frescura e suavidade. E nunca desilude: sejam quais forem as circunstâncias de cada colheita, mantém o seu perfil, com traços de grande concentração, complexidade e elegância. Excecional é também o Vallado Porto Vintage 2018, tanto pela qualidade do vinho, sem dúvida altíssima, quanto pelo preço, surpreendentemente atrativo, se comparado com os valores atingidos pelos vinhos da mesma categoria no mercado.

A CR&F, de seu nome completo Aguardente Vínica Velha Reserva Carvalho, Ribeiro & Ferreira, é uma proposta diferente, que talvez não diga muito às novas gerações, mas foi referência de qualidade para as anteriores, quando era hábito rematar a refeição com uma boa aguardente velha. E se a CR&F perdeu visibilidade, tal como o brandy e outras bebidas espirituosas, manteve intacta a qualidade, bem como o prestígio, além da considerável presença nos mercados interno e externo. Há quatro anos, passou a fazer parte da João Portugal Ramos Vinhos, que incluiu a emblemática Reserva num dos seus packs de oferta para esta época natalícia (entretanto, foi apresentada uma novidade: CR&F XO 125 Anos Edição Comemorativa, aguardente velha do mais alto nível, resultante de um lote escolhido entre mais de 100 (!) barricas com média de idade de 50 anos, muito complexa no aroma e extraordinariamente macia na boca, limitada a 1 895 garrafas, ao preço de 285 euros cada.

Continue a ler o artigo em Visão.

Últimas